PEDAGOVALMIR@GMAIL.COM

PEDAGOVALMIR@GMAIL.COM
PEDAGOVALMIR@GMAIL.COM

domingo, 4 de dezembro de 2016

Características da terapia cognitivo-comportamental

Ao contrário de outras linhas da psicologia, a terapia cognitivo comportamental é uma abordagem diretiva, geralmente com objetivos definidos e, consequentemente, com um prazo específico para a conclusão. Isto faz sentido se pensarmos que, ao invés de ter uma busca geral pelo autoconhecimento, o foco da TCC (sigla para Terapia Cognitivo-Comportamental) é resolver uma dificuldade, um problema ou sintoma.
Assim, se o sujeito busca a terapia para curar o seu medo de andar da avião, o terapeuta não vai investigar toda a sua infância, seus sentimentos mais profundos e assim por diante. Como há um objetivo específico – curar o medo de andar de avião – a terapia vai se limitar a resolver este problema, e terá o seu fim quando o medo de andar de avião for superado, provavelmente em algumas sessões.
Como o objetivo é descobrir as causas cognitivas para dificuldades comportamentais, o terapeuta vai investigar quais são os pensamentos, sentimentos e crenças negativos ou destrutivos que estão atrapalhando o sujeito a realizar uma dada ação – como andar de avião. Digamos que o pensamento por trás do medo seja de que o avião vai cair, com a visualização de cenas de destruição aérea, fogo, fumaça, e outras imagens contendo esta ideia. Com as técnicas específicas, tais pensamentos serão avaliados e modificados para que o medo gradualmente desapareça.
A base, portanto, da terapia cognitivo-comportamental é que os pensamentos, sentimentos e crenças (cognições) desempenham um importante papel nos comportamentos. Se na terapia comportamental o enfoque maior esteve na influência do meio ambiente no comportamento (embora o chamado comportamento encoberto também tenha sido estudado), na TCC a perspectiva é a de que o que acontece “dentro” do indivíduo, em sua cognição, tem maior relevância para que as mudanças sejam permanentes.

O que é terapia cognitivo-comportamental?

Primeiro, podemos começar definindo com clareza o que é a terapia cognitivo comportamental, que surgiu nos Estados Unidos, da reunião de duas correntes das pesquisas em psicologia por lá: a psicologia comportamental (ou behaviorismo) e da psicologia cognitiva. Em princípio, é até curioso observar que as duas correntes de pesquisa são discordantes em muitos aspectos.
Quem conhece um pouco mais sobre a comportamental vai saber que muitos dos seus pressupostos (como não utilizar conceitos como “mente”, “psique”, entre outros) são utilizados na psicologia cognitiva, embora com outros nomes. Assim, na psicologia cognitiva não se fala de mente, mas se usa o termo cognição (que dá o nome à abordagem) e são usados conceitos como crenças, pensamentos recorrentes, atitudes mentais, etc.
Ou seja, em princípio a união dentre a psicologia comportamental e a psicologia cognitiva não seria uma coisa esperada. Talvez para os defensores da psicologia cognitiva seja mais fácil utilizar os conceitos da psicologia comportamental, enquanto que para os behavioristas radicais isto seja um pouco mais complicado, ou, então, desnecessário.
De todo modo, na prática da psicologia clínica muitos psicólogos, inicialmente nos Estados Unidos, e depois no mundo todo começaram a reunir as duas correntes e criou-se assim a chamada terapia cognitivo-comportamental, que se arroga o título de ser a terapia psicológica com mais resultados efetivos. E, como em sua epistemologia possui ideias próximas à biologia e a química, é muito respeitada no meio dos médicos.
Além desta pequena história do começo deste tipo de terapia e da definição de que é a reunião da psicologia cognitiva e psicologia comportamental com objetivos clínicos, podemos definir a terapia cognitiva-comportamental como uma terapia que ajuda os pacientes a entender os seus pensamentos e os seus sentimentos e a sua influênciam nos seus comportamentos.
Em outras palavras, ajuda a pessoa a conhecer melhor o seu modo de conceber, através dos pensamentos e sentimentos (cognição), os seus modos de agir (comportamento). Como disse, é um tipo de terapia muito respeitada no meio médico e é indicada para casos de fobia, dependência química, depressão e ansiedade. Mas também é indicada para o tratamento de outros sintomas como veremos abaixo.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Ser psicólogo é saber ouvir mais do que falar, é saber que cada um tem um porque, uma subjetividade e que essa deve ser imensamente respeitada, tanto no prazer quanto no sofrimento. É olhar para o outro, para sua dor, o acolher e poder dar de si o melhor para que o outro esteja bem em seus conflitos, traumas e possa elaborar tudo que lhe perturba.

sábado, 16 de maio de 2015

Terapia Cognitiva é um sistema de psicoterapia, proposto e desenvolvido pelo Dr. Aaron Beck e seus colaboradores, que integra um modelo cognitivo de psicopatologia e um conjunto de técnicas e estratégias terapêuticas baseadas diretamente nesse modelo.
Em meados da década de 1950, o Dr. Beck, Professor de Psiquiatria da Universidade da Pennsylvania em Philadelphia e um eminente Psicanalista, conduziu estudos empíricos para comprovar princípios psicanalíticos. A partir de seus estudos, propôs um modelo de depressão, que, evoluindo em seus aspectos teórico e aplicado, constitui-se em um novo sistema de psicoterapia, que ele denominou inicialmente de Terapia Cognitiva e que hoje é mais amplamente conhecida como Terapia Cognitivo-Comportamental.
A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) baseia-se na hipótese de vulnerabilidade cognitiva como um modelo de transtorno emocional. Seu princípio básico, que reflete uma postura construtivista, é de que nossas representações de eventos internos e externos, e não um evento em si, determinam nossas respostas emocionais e comportamentais. Nossas cognições ou interpretações, as quais refletem formas idiossincráticas de processar informação e representar o real, constituiriam a base dos transtornos emocionais, os quais seriam definidos, em TCC, mais propriamente como transtornos de processamento de informação.


PAULO FREIRE

PAULO FREIRE

FILHOS

FILHOS

FAMILIA

FAMILIA

FAMÍLIA JAN/2011

FAMÍLIA JAN/2011

ZOOLÓGICO 2011

ZOOLÓGICO 2011

ACAMPAMENTO COVA DE ONÇA 2011

ACAMPAMENTO COVA DE ONÇA 2011

PROJETO CAROÁ - POVOS NÃO ALCANÇADOS

PROJETO CAROÁ - POVOS NÃO ALCANÇADOS

MISSÕES CAROÁ (SERTÂNIA)

MISSÕES CAROÁ (SERTÂNIA)

Charlie Chaplin

Charlie Chaplin
Charlie Chaplin atuou, dirigiu, escreveu, produziu e financiou seus próprios filmes, sendo fortemente influenciado por um antecessor, o comediante francês Max Linder, a quem dedicou um de seus filmes. Sua carreira no ramo do entretenimento durou mais de 75 anos, desde suas primeiras atuações quando ainda era criança nos teatros do Reino Unido durante a Era Vitoriana quase até sua morte aos 88 anos de idade. Era canhoto, nasceu no dia 16 de abril de 1889, na East Street, Walworth, Londres, Inglaterra. Seus pais eram artistas de music-hall; seu pai, Charles Spencer Chaplin Sr., era vocalista e ator, e sua mãe, Hannah Chaplin (nascida Hannah Harriet Pedlingham Hill), era cantora e atriz. Chaplin aprendeu a cantar com seus pais, os quais se separaram antes dele completar três anos de idade. Após a separação, Chaplin foi deixado aos cuidados de sua mãe, que estava cada vez mais instável emocionalmente. O censo de 1891 mostra que sua mãe morava com Charlie e seu meio-irmão mais velho Sydney na Barlow Street, Walworth.

SKINNER

SKINNER
B. F. Skinner, o cientista do comportamento e do aprendizado. Sua obra é a expressão mais célebre do behaviorismo, corrente que dominou o pensamento e a prática da psicologia, em escolas e consultórios, até os anos 1950.

J.B.Watson, pai do behaviorismo metodológico.

J.B.Watson, pai do behaviorismo metodológico.
No ano de 1913 J.B.Watson fundou uma corrente de pensamento denominada Behaviorismo, no início quase um sinônimo de ciência do comportamento. Até a época de Watson a Psicologia havia dado grande importância para a Introspecção, a qual era o seu método de estudo dos chamados eventos mentais, o qual consistia em olhar para dentro do próprio corpo para explicar tais eventos. O problema era que esse método era subjetivo e de poucos resultados práticos.

CLARICE LISPECTOR

CLARICE LISPECTOR
Clarice Lispector nasceu na Ucrânia, de pais russos, no ano de 1925 e emigrou com a família para o Brasil no ano seguinte, nunca mais voltaria à pequena aldeia de Tchetchenillk em que nascera. Fixaram-se no Recife, onde a escritora passou a infância. Depois da morte de sua mãe, quanto tinha 12 anos, ela mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, já tendo esboçado seus primeiros contos. Clarice viveu fora do Brasil por cerca de quinze anos, onde pôde dedicar-se exclusivamente a escrever. Morreu em dezembro de 1977, na véspera de seu aniversário, como uma das mais importantes vozes da literatura brasileira.

CASSIMIRO DE ABREU

CASSIMIRO DE ABREU

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

CECÍLIA MEIRELES

CECÍLIA MEIRELES

ALUÍSIO DE AZEVEDO

ALUÍSIO DE AZEVEDO

MARIO QUINTANA

MARIO QUINTANA

MONTEIRO LOBATO

MONTEIRO LOBATO

LEITURAS E FILMES....

  • TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA DE LIMA BARRETO, VIDAS SECAS DE GRACILIANO RAMOS,SÃO BERNARDO DE GRACILIANO RAMOS, DOM CASMURRO DE MACHADO DE ASSIS, LITERATURA DO MINARETE DE MONTEIRO LOBATO...